Continuidade de Negócios é investimento ou despesa?

“Continuidade de Negócios é investimento ou despesa?” é uma pergunta recorrente ao longo dos 20 anos de história da STROHL Brasil.

Continuidade de Negócios é investimento ou despesa?Os motivos para a implantação de um sólido Programa de Continuidade de Negócios – PCN – e suas componentes: resposta a incidentes, gestão de crises, contingência e recuperação de desastres podem ser vários, desde o comprometimento executivo com a proteção dos ativos corporativos críticos a requisitos regulatórios ou contratuais, não necessariamente nesta ordem.

Sem dúvida implantar e manter o Programa de Continuidade de Negócios – PCN – requer recursos humanos – homens/hora – e financeiros para viabilizar e manter as infraestruturas que suportarão o programa para: mitigação dos riscos existentes nas infraestruturas operacionais, contratação ou adequação do local alternativo de trabalho e do Data Center de recuperação de desastres – DR.

Contabilmente comprar equipamentos normalmente é investimento (CAPEX) enquanto a manutenção de todas as infraestruturas é despesa operacional (OPEX).

Mas na prática será que podemos usar estas duas classificações?

Na visão da STROHL Brasil, baseada nos seus 20 anos de experiência na implantação e manutenção de Programas de Continuidade de Negócios – PCN – em empresas de diferentes segmentos e portes (serviços realizados) esta classificação deve incluir também os ganhos de produtividade e qualidade decorrentes do PCN.

Ganhos de produtividade e qualidade

Muito frequentemente na etapa de Avaliação de Riscos são identificadas inúmeras situações de risco, ou não previamente identificadas ou então consideradas “normais” pela organização, que depois de tratadas mediante a implantação de controles (que requerem alguma forma de recursos humanos e financeiros), diminuem a exposição ao risco e, consequentemente, aumentos na disponibilidade.

Na etapa seguinte, a Análise de Impacto nos Negócios – BIA -, além da quantificação dos vários tipos de impactos e outras informações decorrentes de uma interrupção significativa, também são identificadas inúmeras oportunidade de melhorias nos processos com ganhos de produtividade, qualidade e redução do risco.

Mais adiante, na etapa dos exercícios e testes nos ambientes de contingência, também são identificadas novas oportunidade de melhorias nos processos que, invariavelmente, demandam novas melhorias nos processos, principalmente nos testes de DR.

Portanto, na nossa visão, a avaliação a ser feita é a de “Custo x Benefício” e não de “Investimento ou Despesa”.

Fazer a avaliação de “Custo x Benefício” não é uma tarefa simples, decorrentes do PCN e das várias outras iniciativas normalmente em andamento nas empresas.

Mas limitar a avalição a “Investimento ou Despesa” é o mesmo que deixar de contratar e manter um seguro de vida porque só será usado uma vez.

STROHL Brasil, a 20 anos contribuindo com a Continuidade de Negócios das organizações.

Quer saber mais sobre resiliência organizacional, de continuidade de negócios e/ou de recuperação de desastres?   Deixe o seu interesse no formulário abaixo e entraremos em contato.

Compartilhe este Artigo

Compartilhar no email
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Artigos Relacionados

Um Restore Ainda Irá Te Salvar

Um Restore Ainda Irá Te Salvar No nosso último post “Backup e Restore é o Básico do Básico” falamos sobre a importância dos Backups, pré

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Este site utiliza cookies para proporcionar uma melhor experiência para nossos usuários. Ao continuar a navegação neste site, você estará de acordo com os cookies que estão sendo utilizados. Se quiser saber mais sobre nossa política de cookies, clique aqui.