Home Office é a solução para a contingência?

Home Office é a solução para a contingência?

Home Office é a solução para a contingência?

A quarentena da Covid-19 obrigou as empresas, preparadas ou não, a rapidamente deslocarem os seus colaboradores do seus respectivos locais corporativos de trabalho para o home office.

Muitas empresas já praticavam o home office light vamos chamar assim, quando o colaborador tinha a flexibilidade de trabalhar em casa uma ou duas vezes por semana.   Algumas tinham algumas regras para a prática do home office light a maioria não ou seja, no ponto de vista da Continuidade de Negócios a falta de regras para esta prática permitiria que em cenários extremos pudéssemos ter perto de 0% ou de 100% dos colaboradores no local de trabalho o que dificultaria a implantação de uma estratégia de local alternativo de trabalho, na eventualidade de uma indisponibilidade prolongada do local de trabalho primário.

Com a quarentena da Covid-19 as empresas aprenderam que é possível a operação em home office para muitas atividades: atendimento a clientes por exemplo, com uma ida à sede, vamos chamar assim, uma vez por semana ou a cada duas semanas para feedbacks; e para outras atividades, principalmente as de back office com o home office praticado duas a três vezes por semana.

No contexto da Continuidade de Negócios serão necessárias regras para a prática do home office.   Não podemos cair na mesma situação de ter perto de 0% ou de 100% dos colaboradores no local de trabalho.   É necessário ter uma distribuição razoavelmente uniforme da quantidade de colaboradores em home office.

Vamos supor uma empresa com uma determinada quantidade de colaboradores e com a regra de home office duas vezes por semana.   Utilizando critérios de distribuição razoavelmente uniformes seria possível manter, diariamente, de 30% a 40% da força total de trabalho em home office, assumindo que as equipes sejam grandes o suficiente para permitir esta distribuição.

Com isto, aumentaríamos significativamente a resiliência da empresa pois, na eventualidade da indisponibilidade prolongada do local de trabalho já teríamos 30% – 40% da força de trabalho imediatamente disponível para manter os serviços, produtos e serviços críticos aos clientes.

Baseado na nossa experiência prática da STROHL Brasil de 20 anos em Continuidade de Negócios, 40% da força de trabalho é suficiente para manter uma empresa típica, sempre há exceções, operando em contingência por uma semana, pelo menos.

Teríamos, portanto, uma semana para ter uma boa análise se e quando seria possível retornar ao local primário de trabalho ou se seria necessário mais espaço e demais infraestruturas para aumentar, gradativamente, os níveis de serviço a serem disponibilizados.   Isto deve ser quantificado na BIA – Análise de Impacto nos Negócios que continua sendo necessária.

Com isto, além da melhor qualidade de vida aos colaboradores teríamos como benefícios:

  • a continuidade ininterrupta das operações;
  • a redução da despesa operacional com a manutenção de locais alternativos de trabalho, próprios ou contratados, a serem utilizados na eventualidade da indisponibilidade prolongada do local de trabalho primário;
  • a redução na despesa operacional em 30% em espaço de escritório, já empresas devolvendo andares e salas;
  • ou aumentar em 30% a força de trabalho sem o respectivo aumento na área de escritório.

Não podemos esquecer das outras infraestruturas eventualmente existentes no local de trabalho primário como: PABX convencional que deve ser migrado para a nuvem; gravadores de voz; sala de links dedicados de comunicação; sala de servidores que deve ser migrada para Data Centers profissionais etc. cujas indisponibilidades impactariam ou até mesmo paralisariam todas as operações.

Conforme nosso último post “É HORA DE ATUALIZAR O PCN” estes e outros aspectos devem ser levados em consideração nesta atualização.

Quer saber mais sobre Planos de Contingência ou Continuidade de Negócios, de Recuperação de Desastres (Disaster Recovery) ou Gestão de Crises?   Por favor preencha o formulário abaixo e entraremos em contato.

Compartilhe este Artigo

Compartilhar no email
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Artigos Relacionados

3 Usos da BIA nos Ataques Cibernéticos

3 Usos da BIA nos Ataques Cibernéticos Aparentemente neste período de quarentena houve um aumento significativo de ataques cibernéticos às organizações.   Pode ser somente um

Apetite ao Risco

Apetite ao Risco Introdução Um dos pilares da Continuidade de Negócios (BC) e da Recuperação de Desastres (DR) é o Apetite ao Risco. É baseado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Este site utiliza cookies para proporcionar uma melhor experiência para nossos usuários. Ao continuar a navegação neste site, você estará de acordo com os cookies que estão sendo utilizados. Se quiser saber mais sobre nossa política de cookies, clique aqui.