E se tudo der certo como é que eu fico?

E se tudo der certo como é que eu ficoEste post “E se tudo der certo como é que eu fico?” é o penúltimo desta série, iniciada com “Bolsa a 100.000 pontos.   E o PCN com isso”, depois “Fica tudo como está ou quase” e o anterior “Pior do que está sempre pode ficar” que analisam os efeitos dos possíveis cenários macro econômicos na resiliência pessoal e, a partir destas análises, mitigar os impactos das ameaças potenciais decorrentes.

Se você achar o conteúdo deste post de alguma forma útil, compartilhe-o com a sua rede de contatos e siga-nos nas redes sociais.

O post anterior “Pior do que está sempre pode ficar” foi para um cenário pessimista.   Este post “E se tudo der certo como é que eu fico?” é para um cenário otimista, isto é, o governo federal não só aprova a Reforma da Previdência por ampla maioria no Congresso como, na sequência, apresenta novas reformas e medidas para aumentar a eficiência do estado brasileiro.

Com esta aprovação e este conjunto de propostas haverá um aumento na confiança interna e externa no governo e consequentemente na economia brasileira, aumento nos investimentos, aquecimento no consumo, geração de empregos e crescimento do PIB.   Um cenário sonhado por muitos há muito tempo!

Você está preparado para o cenário “E se tudo der certo como é que eu fico?”   Apesar de otimista, ou muito otimista, nem tudo será um mar de rosas.

Novamente, 3 situações para o cenário “E se tudo der certo como é que eu fico?” para contextualizar melhor. 

Você está ou é:

Empregado: num cenário de pleno emprego e/ou de economia aquecida bons profissionais serão disputados.   Esta é a sua oportunidade de impulsionar a sua carreia profissional.   Profissionais atualizados, antenados com as novas tecnologias, com as transformações decorrentes da 4ª Revolução Industrial etc. terão maiores possibilidades de sucesso do que aqueles que ficaram defasados e/ou não investiram na sua atualização e capacitação profissional.   Uma das muitas variações de um ditado popular diz: “um cavalo selado não passa duas vezes”.   Qual é o seu Plano B para aproveitar esta oportunidade, que pode ser única?   Estar no lugar certo, na hora certa e perceber isto é uma tremenda vantagem competitiva.

Inclua nas suas avaliações de risco vários ofensores como: taxa de “turn over” da empresa; a sua relação idade x custos x retorno que já abordamos no post “Fica tudo como está ou quase”; aquisições ou fusões; se a sua empresa compra ou é comprada por outra, consolidações corporativas em outros países ou regiões do Brasil etc.

Desempregado: muitas vagas de emprego fechadas durante a longa crise deixaram definitivamente de existir.   Os processos foram otimizados, transferidos, consolidados etc. de forma que aquela pessoa, com aquelas habilidades, para executar aquelas tarefas não é mais necessária.   Ou seja, você precisará ter novas habilidades para ser competitivo frente as novas necessidades do novo mercado de trabalho.   Você já deveria estar executando um Plano B para desenvolver estas novas habilidades.

Empresário – aqui duas situações:

Candidato a empresário: abordaremos esta situação no nosso próximo, e último, post sobre os Planos B que repito, vejo como inevitáveis nas nossas vidas profissionais, pelo menos para a grande maioria de nós.

Empresário estabelecido: hora de desenvolver novos cenários de riscos e oportunidades – análise SWOT, planejar investimentos, preparar para vender a empresa, expansão gradativa ou por aquisição, redimensionar o quadro de colaboradores, buscar novos forncedores, novos mercados, novos produtos e serviços, considerar a perda dos principais talentos para o mercado … Não tem jeito, temos sempre que pensar no Plano B.

Ao longo desta série de posts vimos a necessidade de mapearmos e analisarmos adequadamente os riscos e oportunidades que podem afetar a nossa vida profissional e, a partir destas análises, desenvolver planos de ação, os Planos B, que serão o tema no nosso próximo post desta série.

Não se esqueça das nossas recomendações de leitura: os livros “Empregabilidadede José Augusto Minarelli e “A Arte da Guerra” de Sun Tzu.   Há muitos outros livros que poderão te ajudar com certeza.   Leia-os.   São para o seu próprio bem e, consequentemente, para a sua família.

Então, fica combinado, até o último post da série “Como desenvolver o Plano B”.

Sidney R. Modenesi, MBCI, LDRM

Entusiasta em Resiliência

Quer saber mais sobre resiliência e como se preparar para este ciclo de desafios?   Por favor preencha o formulário abaixo.

Compartilhe este Artigo

Compartilhar no email
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp

Artigos Relacionados

Ransomware na Telecom Argentina afetou 18.000 PCs

Ransomware na Telecom Argentina afetou 18.000 PCs Segundo o site de notícias de segurança da informação CISOAdvisor (https://www.cisoadvisor.com.br/telecom-argentina-sofreu-ataque-de-ransomware-no-sabado/) a companhia Telecom Argentina teria sofrido um

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Este site utiliza cookies para proporcionar uma melhor experiência para nossos usuários. Ao continuar a navegação neste site, você estará de acordo com os cookies que estão sendo utilizados. Se quiser saber mais sobre nossa política de cookies, clique aqui.