Chegou a hora de desenvolver os Planos B C D E …

Chegou a hora de desenvolver o Plano B, C, D, E ...

Chegou a hora de desenvolver os Planos B C D E …

Como prometido este é o último post da série:

Onde abordamos as possíveis consequências na economia brasileira decorrentes da aprovação ou não da Reforma da Previdência, e outras, pelo novo governo nos três cenários acima, os impactos na resiliência da nossa vida profissional e, também, várias situações onde potencialmente teremos que desenvolver os PLANOS B C D E … com novas estratégias profissionais de forma a mantermos a nossa capacidade produtiva e consequentemente nossa remuneração.

Comentei, também, que pela grande redução na quantidade de vagas disponíveis no mercado vejo como inevitável que a grande maioria dos empregados terão, mais cedo ou mais tarde, que empreender, o que também implica em desenvolver os PLANOS B C D E …

Como lição de casa, se me permitam a cobrança, ficaram dois livros:

  • Empregabilidade de José Augusto Minarelli e
  • A Arte da Guerra de Sun Tzu.

PLANO B C D E … – PRÉ REQUISITOS

Antes mesmo de começarmos a pensar em desenvolver os PLANOS B C D E … vamos verificar os nossos pré-requisitos, começando com o livro do Minarelli.

Numa frase podemos definir Empregabilidade como “capacidade de adequação do profissional às novas necessidades e dinâmica dos novos mercados de trabalho”.   Aqui temos um bom resumo do livro e dos 6 pilares de sustentação da Empregabilidade https://flaviobotana.wordpress.com/2011/05/30/empregabilidade-%E2%80%93-conceitos-de-jose-augusto-minarelli-fonte-wikipedia/

E, para quem não leu a Arte da Guerra, aqui tem um bom resumo https://www.culturagenial.com/livro-a-arte-da-guerra/

Se você não leu os livros leia pelo menos os 2 resumos e faça uma análise SWOT deste conjunto de habilidades.   Quais são os seus pontos fortes?   Pontos fracos?   Quais são as suas maiores ameaças?   E as oportunidades quais são?

Desta análise já teremos um conjunto de planos de ação, seja para a sua atual carreira profissional ou para a nova carreira de empreendedor.

A ALTERNATIVA É EMPREENDER

Sejam quais forem as razões: não encontra oportunidades no mercado formal de trabalho; a carreira está estagnada; está infeliz no que faz; chegou naquela idade que o mercado te acha “velho”; ou porque você sempre teve a vontade de ter o seu próprio negócio, é chegada a hora de empreender.

Vamos começar pelos 6 pilares da Empregabilidade:

  1. Adequação da profissão à vocação

Você realmente tem a vocação para empreender e os novos desafios que virão mesmo que na sua profissão/área de atuação?

Enquanto empregado havia toda uma estrutura para te suportar.   Como empreendedor, dependendo do porte, você terá que vender, desenvolver e entregar o seu produto ou serviço, se manter atualizado, fazer o marketing, a contabilidade, o RH, fazer “cold calls” etc. tudo dentro de 24 hs.   Esqueça a CLT ela não se aplica mais a você.   8 horas de jornada de trabalho?   O mais provável é quase o dobro disso.   Pontes de feriados, férias de 30 dias (pelo menos nos estágios iniciais) … isso também não é mais para você.

  1. Competências

Duas alternativas: ou você desenvolve as múltiplas competências que serão necessárias para empreender ou você terá que de alguma forma se associar com outros profissionais que tenham estas competências e te complementem.   Pergunta básica, qual o tamanho do teu orçamento, com certeza ele limitará as alternativas.

  1. Idoneidade

O título fala por si mesmo.   Construir um nome é demorado e difícil mas destruir um nome é muito rápido.   Apesar de estamos atravessando uma fase de muita inversão de valores no nosso país, sejamos os agentes de mudança e não só ser como praticar a idoneidade.

  1. Saúde física e mental

Outro título que fala por si.   Empreender não é para todos, exige múltiplas competências, perseverança, confiança e muito equilíbrio.   Há a necessidade de muito equilíbrio para administrar a redução no padrão de vida da sua família, ver o final do mês chegando, novas vendas não entrando, o saldo bancário baixando rapidamente e as contas para pagar.   É muito frequente ter que pagar os impostos muito antes de receber do seu cliente.   O Leão tem muita fome!

  1. Reserva financeira e fontes alternativas de aquisição de renda

Qual é o “break even” do seu empreendimento, isto é, depois de quanto tempo seu empreendimento começará a dar retorno no pior cenário?   1 ano, 2 anos, 3 anos?   Como assim não sabe responder?   Você não fez um plano de negócios?  É mandatório desenvolver os PLANOS B C D E … e várias versões até que você chegue a resultados, no mínimo, satisfatórios e confiáveis, no pior caso.   Depois responda, você tem reservas financeiras para isto?   Não tem?   Como vai conseguir o capital necessário?   O que mais tem são novos empreendimentos quebrados e seus sócios devendo no mercado, para parentes e amigos.

  1. Relacionamentos

Nossa vida é baseada em relacionamentos.   Familiares, comerciais, sociais, tudo é relacionamento.   Quando estamos numa organização podemos não dar muita importância para isto pois a organização faz isto por nós mas depois, quando estamos em busca de uma recolocação, indicação ou até mesmo para começar a oferecer os produtos e serviços do nosso novo empreendimento é que percebemos a importância dos relacionamentos.   Construir uma boa rede de relacionamentos comerciais é trabalhosa e demorada.

Feitas as análises e desenvolvidos todos os planos de ação, podemos fazer a mesma abordagem para os 6 capítulos do livro A Arte da Guerra.

O post já está ficando longo e você já deve ter percebido que empreender exige MUITO planejamento inicial e depois revisões sistemáticas (Previsto x Realizado), não deve ser uma decisão intempestiva onde você aposta todas as suas fichas e reservas financeiras (assumindo que você as tenha) num sonho de uma noite de verão.

As estatísticas estão aí e são muito cruéis, segundo o SEBRAE, 1 de cada 4 novas empresas fecham antes de completar 2 anos. (https://exame.abril.com.br/negocios/dino/1-a-cada-4-empresas-fecha-antes-de-completar-2-anos-no-mercado-segundo-sebrae/)

Sabe qual a idade média do empreendedor brasileiro?   44 – 45 anos.   Lembram-se da questão da idade já mencionada neste e nos outros posts?   Pois é …

Dentro do seu planejamento e preparação pesquise por “quebra das empresas” ou seus vários sinônimos, e/ou por “why do businesses go out of business”.   Não há nada melhor para aprender do que estudar os erros dos outros e se preparar para evita-los.

Te desejo muito sucesso nesta nova fase da sua vida profissional.   Lembre-se que sucesso só vem antes de trabalho no dicionário e, como um profissional de continuidade de negócios, empreendedor e entusiasta em resiliência te deixo a pergunta final: “E se der muito certo você também estará preparado?

Se puder te ajudar pode contar comigo.

Sidney R. Modenesi

Entusiasta em Resiliência

Quer saber mais sobre resiliência e como se preparar para este ciclo de desafios?   Por favor preencha o formulário abaixo.