A Greve dos Caminhoneiros, a Gestão de Crises e as Lições Aprendidas – Versão Final, Será?

A Greve dos Caminhoneiros, a Gestão de Crises e as Lições Aprendidas – Versão Final, Será?A Greve dos Caminhoneiros, a Gestão de Crises e as Lições Aprendidas – Versão Final, Será?

Finalmente hoje, 31/05/18, parece que a greve dos caminhoneiros terminou, mesmo para aqueles grupos mais resistentes que insistiam em ficar parados após o acordo fechado com o governo.

Vamos voltar aos fundamentos da Gestão de Crises, incidentes x crises.

Incidentes tem um comportamento conhecido, surgem, desenvolvem, estabilizam ou são controlados e finalmente terminam, após uma série de intervenções automáticas e/ou manuais.

Crises por outro lado não tem um comportamento previsível, começam em geral decorrentes de um ou de um encadeamento de incidentes e vão se desenrolando em função das intervenções internas e externas, bem ou malsucedidas.   Crises são, também, seriamente afetadas pela capacidade de comunicação e nos últimos tempos pelas mídias sociais.

Já vimos que a capacidade de liderança e comunicação do nosso governo foi muito ruim (https://strohlbrasil.com.br/2018/05/28/a-greve-dos-caminhoneiros-a-gestao-de-crises-e-as-licoes-aprendidas/) e, se as notícias forem verdadeiras, que a greve dos caminhoneiros foi articulada, controlada, realimentada e fugiu do controle das suas supostas lideranças pelas mídias sociais e as fake news.

Pensar em gerir adequadamente uma crise sem uma capacidade efetiva de comunicação e sem monitorar e reagir sistemática e adequadamente às mídias sociais é o mesmo que tentar apagar o incêndio com, no caso, óleo diesel.   Um desastre pré-anunciado como este que ocorreu e como os próximos que ocorrerão, infelizmente.

Sidney R. Modenesi, MBCI
Entusiasta de sociedades resilientes