Resiliência e a Greve dos Caminheiros

Resiliência e a Greve dos CaminheirosResiliência e a Greve dos Caminheiros

Hoje, 24/05/18 entramos no quarto dia da greve dos caminheiros, com ampla cobertura da mídia.   Não vamos entrar no mérito se a greve é legítima ou não, se há interesses ocultos ou não.   Vamos nos ater somente ao evento da greve, suas consequências e a nossa capacidade de resiliência.

Num contexto de economia estagnada e forte pressão por redução de custos manter estoques elevados não é uma prática recomendada de gestão empresarial.

De outro lado, depender de insumos, no caso combustíveis, com preços estabelecidos em dólar no mercado internacional e com o dólar em alta é um sério risco financeiro.

Some-se a tudo isto o contexto da nossa economia, bastante fechada, pouco competitiva e despreparada para o livre mercado para sofrermos esta crise de proporções nacionais.

O desabastecimento de uma linha primária de sustentação como a dos transportes rodoviários gera um efeito nefasto em toda a cadeia de produtos e serviços.   Produtos perecíveis estragam, carga viva sofre ou morre, transporte coletivo é seriamente afetado etc.

Esta greve mostra quanto a nossa sociedade é pouco resiliente, despreparada para enfrentar incidentes com origens internas ou externas, principalmente num item vital na cadeia logística – combustíveis – e ficamos, sempre, dependendo de soluções improvisadas de última hora, o que insistimos em chamar de jeitinho brasileiro.

Só que uma hora o jeitinho poderá não funcionar!

1 Trackbacks & Pingbacks

  1. Resiliência e a Greve dos Caminheiros - 5⁰ Dia - +55 11 5583-0033

Comments are closed.